sábado, 13 de junho de 2015

"A peregrinação do rapaz sem cor" de Haruki Murakami

Olá pessoal.

Aqui falei-vos daquela história de como é importante aceitarmos o passado e resolvê-lo como forma de continuarmos a viver a nossa vida com paz e tranquilidade.

A verdade é que este ano parece que estou a ser perseguido sobre esse tema. Já falei aqui do filme que fui ver e aqui da peça de teatro que fui assistir.

Hoje vou-vos falar do último livro que li, fazer um resumo rápido para não estragar a história a quem queira ler e dar a minha opinião.


Sou fã deste escritor (um Murakamista), pois ele consegue falar daqueles temas que todos nós pensamos na cama antes de adormecer e esta história não foge à regra.

Conta a história de um rapaz que tem como profissão desenhar estações de caminhos de ferro em Tóquio, mas que vive numa enorme agonia desde que, na sua adolescência o seu grupo, de amigos o abandonou sem nenhuma justificação possível, agonia essa que não o deixava seguir em frente,
Após conhecer uma rapariga esta insiste que deve ir atrás dos seus antigos amigos procurar uma justificação junto deles pois uma ferida não se cura ignorando-a.
Após uma série de eventos e uma viagem improvável, Tsukuru (a personagem principal) tenta então levar em frente essa empresa.

Portanto, mais uma vez a temática da importância de termos que arrumar o nosso passado num arquivo em vez de o deixar aos fragmentos no nosso dia a dia.

Mas a história não é assim tão básica. Aqui consegue chegar ao extremo de que por vezes é preciso criar uma mentira para que possamos desprender de determinadas coisas que temos como garantidas, caso contrário ficaremos para sempre presos nelas de tal forma que a nossa vida passe por nós sem termos dado conta disso.

Vale a pena comprar este livro. Para quem conhece o escritor já sabe que no fim do primeiro parágrafo, fomos raptados por ele.

Podem comprar o livro aqui, aqui e aqui.

Até à próxima.
Enviar um comentário